DEBEM.com.br
Página principal   |   Nossas Lojas  |   Notícias Online     |   Fale Conosco   
 

Promoções válidas
até 31/12/2018*
debem@debem.com.br
*Exceto sorteios

DEPARTAMENTOS

ANTI-VÍRUS
CAIXAS DE SOM
CARREGADORES/PILHAS
CARTÃO DE MEMÓRIA
CARTUCHO
CD / DVD
DIVERSOS
ESTABILIZADOR
FILTROS
IMPRESSORAS
MALETAS
MICROFONE
MOCHILAS
MOUSE
MULTIMÍDIA
NO-BREAK
PAPEL/FORMULÁRIOS
PEN DRIVE
TECLADO
TONER

PESQUISA




Frase exata              
GRANDES MARCAS




Lançamento da HP

PARCEIROS
Parceiro DEBEM.com.br

Parceiro DEBEM.com.br


Parceiro DEBEM.com.br

Parceiro DEBEM.com.br



Parceiro DEBEM.com.br

Notícias online para você

Saraiva entra com pedido de recuperação judicial

Pedido ocorre menos de um mês depois da Livraria Cultura adotar a mesma estratégia para renegociar dívidas

A Saraiva comunicou nesta sexta-feira, 23, que entrou com pedido de recuperação judicial na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Foro Central da Comarca de São Paulo a fim de organizar suas dívidas. No comunicado, a empresa aponta que optou por esse movimento devido à necessidade de buscar proteção para a repactuação de seu passivo junto aos seus fornecedores e garantir a perenidade da operação. O total de débitos informado no pedido de recuperação judicial soma, aproximadamente, R$ 675 milhões. O plano de recuperação será apresentado aos credores em breve, no momento oportuno.

Em 26 de outubro, a Livraria Cultura também entrou com pedido de recuperação judicial para renegociar uma dívida de R$ 285,4 milhões, com bancos e fornecedores. A Cultura adquiriu a Fnac que, também recentemente, encerrou completamente sua operação no Brasil. Segundo o comunicado da Cultura, a iniciativa foi tomada devido às “incertezas do cenário econômico brasileiro e, dentro delas, a crise do mercado editorial, que encolheu 40% desde 2014, o que fez com que a Livraria Cultura passasse a enfrentar dificuldades, também. Diante disso, a Livraria Cultura iniciou, há três meses, um duro programa de ajustes: eliminamos lojas de baixo resultado; redimensionamos o quadro de funcionários; cortamos despesas de toda ordem; fizemos uma revisão profunda do planejamento de curto e médio prazos. Optamos também pela recuperação judicial da Livraria Cultura, cujo pedido está sendo apresentado aos órgãos competentes”.

No dia 30 de outubro, a Saraiva, que opera em 17 estados e no Distrito Federal, anunciou o fechamento de 20 lojas em todo o País como parte de um esforço da companhia em obter rentabilidade e ganho de eficiência operacional, dentro de uma estrutura mais enxuta e dinâmica. A empresa inaugurou, neste ano, quatro lojas dentro do novo conceito de canais nas cidades de Cuiabá (MT), Rio de Janeiro (RJ) e Olinda (PE).

“A Saraiva tem tomado diversas medidas para readequar seu negócio a uma nova realidade de mercado, com quedas constantes no preço do livro e aumento da inflação. No início deste ano, a Saraiva propôs aos fornecedores a negociação de seu passivo, a qual não obteve sucesso. Em decorrência do agravamento de sua situação, a Companhia julgou que a apresentação do pedido de recuperação judicial seria a medida mais adequada nesse momento, no contexto da crise no mercado editorial, reflexo do atual cenário econômico do país. O objetivo é proteger o caixa, fazendo com que a empresa retome sua estabilidade e, posteriormente, seu crescimento econômico, bem como garantir a preservação da continuidade de sua operação nas lojas físicas e e-commerce”, diz o comunicado.

A rede de livraria também informa que a recuperação judicial não altera, de forma alguma, o funcionamento da operação, que segue com 85 lojas físicas em todo o Brasil e o canal de e-commerce.

Sindicato dos editores

No dia 7 deste mês, a diretoria do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) se reuniu para avaliar soluções para a continuidade das redes de livrarias Cultura e Saraiva e discutir um plano de negociação com essas empresas. No encontro, foi definida uma proposta de curto prazo, que foi enviada aos CEOs de ambas as redes. Além disso, foi aprovada a convocação de uma assembleia geral extraordinária para as editoras associadas do Snel, que foi realizada nesta quinta-feira, 22 de novembro, justamente para discutir a continuidade do fornecimento para as redes de livrarias Cultura e Saraiva. Juntas, as empresas somam uma dívida estimada em R$ 325 milhões com as editoras.

Na assembleia, à frente das negociações com as duas redes nos últimos seis meses, o presidente do Snel, Marcos da Veiga Pereira, comunicou aos presentes o andamento das tratativas após a discussão de propostas com ambas as livrarias no dia 8 deste mês. Segundo comunicado do Snel, nessa data, após sessão de diretoria, o SNEL traçou condições para a manutenção do fornecimento, que incluem: 1) o pagamento antecipado de novas encomendas; 2) a conciliação dos estoques em consignação e acertos quinzenais a partir de novembro; 3) um plano de recuperação que preveja mudanças na gestão das empresas e um assento do Snel no comitê de credores. Com a Cultura, que teve o pedido de recuperação judicial aceito pela Justiça de São Paulo no dia 25 de outubro, foram discutidas as mesmas condições.

Prossegue o Snel, em nota, que, em caráter excepcional, foram convidados para a assembleia executivos do mercado que tiveram participação direta nas tratativas entre editores e as redes de livrarias. Representantes da Livraria Cultura apresentaram o novo plano da empresa. Luís Antonio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), ao lado de Diego Drummond, da Editora Faro e membro do conselho consultivo da CBL, relataram sua participação na mediação das últimas negociações com a Saraiva — que autorizou a exibição de uma contraproposta preliminar durante a reunião. Um advogado especialista em recuperação judicial também esteve presente no encontro, a fim de esclarecer dúvidas dos associados sobre esse tipo de processo.

Numa consulta sem natureza deliberativa e vinculativa após o debate das propostas, a orientação da maioria das editoras foi manter o apoio às duas redes, com algumas restrições. No caso da Saraiva, sem prejuízo de uma melhor análise, foi unânime a opinião favorável à continuidade de negociação da nova proposta, que atende às principais demandas mencionadas anteriormente. Já o da Cultura, que implica um aumento de exposição de crédito, dividiu opiniões e parte das editoras exigiu garantias mais concretas.

Com o anúncio do pedido de recuperação judicial da Saraiva nesta sexta-feira, o presidente do Snel acredita que as negociações ganham mais transparência. “A partir deste momento, todas as obrigações da Saraiva deverão ser cumpridas em dia, o que traz mais segurança para seus credores”, diz Pereira.

Todas as notícias

Nossos Endereços:

Matriz - Rua João Inácio nº1366 - Porto Alegre   Televendas: (51) 3343.8200
Subsolo da Galeria Malcon - Porto Alegre  Fone: (51) 3225.2842

De Bem Ind. e Com. de Informática Ltda
CNPJ – 91.848.614/0001-83

 

Em nossas lojas, aceitamos estes cartões:



WEBMAIL  |   criação: sitesrapidos.com.br

   
.