DEBEM.com.br
Página principal   |   Nossas Lojas  |   Notícias Online     |   Fale Conosco   
 

Promoções válidas
até 31/12/2018*
debem@debem.com.br
*Exceto sorteios

DEPARTAMENTOS

ANTI-VÍRUS
CAIXAS DE SOM
CARREGADORES/PILHAS
CARTÃO DE MEMÓRIA
CARTUCHO
CD / DVD
DIVERSOS
ESTABILIZADOR
FILTROS
IMPRESSORAS
MALETAS
MICROFONE
MOCHILAS
MOUSE
MULTIMÍDIA
NO-BREAK
PAPEL/FORMULÁRIOS
PEN DRIVE
TECLADO
TONER

PESQUISA




Frase exata              
GRANDES MARCAS




Lançamento da HP

PARCEIROS
Parceiro DEBEM.com.br

Parceiro DEBEM.com.br


Parceiro DEBEM.com.br

Parceiro DEBEM.com.br



Parceiro DEBEM.com.br

Notícias online para você

Participação do Sul no PIB brasileiro aumenta

Região é responsável por 17% do índice nacional

Participação do Sul no PIB brasileiro aumenta, informa IBGE

Em 2016, a região Sul foi responsável por 17% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, ficando atrás apenas da região Sudeste. No ano anterior, o índice havia sido de 16,8%. Contudo, os três estados do Sul apresentaram recuo em seu PIB, conforme dados divulgados nesta sexta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na pesquisa “Contas Regionais”. Apenas Roraima, na região Norte, registrou crescimento.

No Sul, o Paraná registrou a maior diminuição do PIB, com queda geral de 2,3%, puxado principalmente pela retração na agropecuária (-5,3%). Ainda assim, seguiu estável como a quinta maior economia entre as 27 unidades da federação (6,4%).  O estudo também analisou o cenário entre 2002 e 2016. Durante esse período, o PIB do Paraná passou de 5,9% para 6,4% (acumulado de 38,2%, com variação anual de 2,3%).

O Rio Grande do Sul, ao contrário, reduziu sua participação no PIB brasileiro no mesmo intervalo, mas seguiu em 2016 com o quarto maior índice do país (6,5%), apesar de variação negativa de 2,1%. Entre os setores da economia, a maior queda foi da indústria (-4%). Assim como o Paraná, o estado também integra o conjunto das cinco unidades da federação que concentra 64,3% do índice nacional. Porém, enfrentando problemas financeiros crônicos, obteve o segundo pior desempenho de crescimento entre 2002 e 2016 (acumulado de 27,6%, com variação anual de 1,8%), ficando na frente apenas do Rio de Janeiro.

Santa Catarina deixou de ser a sexta economia do país, sendo ultrapassado pela Bahia. O estado agora ocupa a sétima posição (4,1%), com recuo de 1,3%. A retração ocorreu porque dois setores tiveram uma diminuição grande de volume: agropecuária (-3,2%) e indústria (-3,3%). No intervalo de tempo entre 2002 e 2016, o estado obteve um PIB acumulado de 37%, com variação anual de 2,3%.

Com reportagem de Italo Bertão Filho.

Todas as notícias

Nossos Endereços:

Matriz - Rua João Inácio nº1366 - Porto Alegre   Televendas: (51) 3343.8200
Subsolo da Galeria Malcon - Porto Alegre  Fone: (51) 3225.2842

De Bem Ind. e Com. de Informática Ltda
CNPJ – 91.848.614/0001-83

 

Em nossas lojas, aceitamos estes cartões:



WEBMAIL  |   criação: sitesrapidos.com.br

   
.