DEBEM.com.br
Página principal   |   Nossas Lojas  |   Notícias Online     |   Fale Conosco   
 

Promoções válidas
até 30/11/2018*
debem@debem.com.br
*Exceto sorteios

DEPARTAMENTOS

ANTI-VÍRUS
CAIXAS DE SOM
CARREGADORES/PILHAS
CARTÃO DE MEMÓRIA
CARTUCHO
CD / DVD
DIVERSOS
ESTABILIZADOR
FILTROS
IMPRESSORAS
MALETAS
MICROFONE
MOCHILAS
MOUSE
MULTIMÍDIA
NO-BREAK
PAPEL/FORMULÁRIOS
PEN DRIVE
TECLADO
TONER

PESQUISA




Frase exata              
GRANDES MARCAS




Lançamento da HP

PARCEIROS
Parceiro DEBEM.com.br

Parceiro DEBEM.com.br


Parceiro DEBEM.com.br

Parceiro DEBEM.com.br



Parceiro DEBEM.com.br

Notícias online para você

Comunicar para informar

Por Ângela Baldino, para Coletiva.net

Nenhum governo é o primeiro e tampouco será o último. E também não costumam ser iguais. Mas, via de regra, mostram ter uma visão em comum: bem ou mal, se valem de uma equipe de Comunicação para dar conta das demandas de interlocução com sociedade.

Quando as novas administrações assumem a máquina pública costumam promover remodelações na estrutura desta área, e às vezes isso ocorre de forma super-radical! Mas em qualquer dos casos uma outra equipe é colocada no lugar. Isso porque os governantes, de um modo geral, provavelmente percebam que grande parte do sucesso de seu governo, eleito, passa pela forma articulada, séria e transparente com que precisam se comunicar com os cidadãos, se relacionar com os diversos segmentos sociais e com a valiosa opinião pública. Afinal, quem já não ouviu, e frequentemente ainda ouve, o jargão "o problema é a comunicação" para justificar problemas e insucessos?

Embora já não seja uma exigência legal ter diploma para exercer a profissão de jornalista (em 2009, o Supremo Tribunal Federal derrubou sua necessidade, mas o tema voltou à discussão na Câmara dos Deputados, em 2017, por meio de um Projeto de Emenda Constitucional), o fato é que estes profissionais qualificados, assim como os de publicidade e marketing, continuam sendo figuras importantes (e até centrais) na criação de estratégias para fazer chegar a informação até a sociedade, com clareza e assertividade. Isso vale para governos, empresas e entidades, que ainda encontram nas equipes de Comunicação uma ajuda fundamental na construção da figura pública de prefeitos, empresários e gestores.

No entanto, não é incomum dirigentes públicos e privados optarem (equivocadamente, é certo) por serem os porta-vozes de si mesmos. O prefeito de Porto Alegre, com seu perfil de gestor, parece, infelizmente, ter feito esta escolha. Ao atribuir para si próprio uma competência que não é sua  - e que não se espera que a tenha - abre mão do resguardo que uma equipe profissional de Comunicação pode oferecer seja na leitura do momento externo, na repercussão e desdobramentos que as medidas anunciadas podem ter, na construção de uma linha de discurso coerente e único com relação a informações e dados que otimize as ações de governo.  Dispensar esta retaguarda é, se não um erro, um risco muito grande.

Não basta ao prefeito ser a figura que fala pelo governo. Porque não é suficiente "informar". É preciso se fazer entender pela população em seus diferentes perfis e segmentos para melhor "transitar" no ambiente da disputa de interesses e objetivos presentes na sociedade. Não é tarefa fácil para nenhum prefeito ou gestor, mas imprescindível porque é inerente ao cargo para o qual foi escolhido. Como resultado da opção "prefeito porta-voz de si mesmo", a Comunicação da prefeitura de Porto Alegre é difusa e, por conta disso, até as mídias sociais se tornam inócuas, vazias.

Algumas perdas que o governo municipal tem tido se devem também a problemas de comunicação com a sociedade, pois ela é necessária para construir uma visão que gere um sentimento de pertencimento a todos. Ou seja, o jargão continua valendo! Algumas áreas são exemplo, como o projeto de lei já enviado ao Legislativo com mudanças nos valores do IPTU: qual foi a estratégia usada para formular a Comunicação de um tema tão sensível, que mexe com a vida de diferentes públicos, de universos, interesses e objetivos distintos?

Para melhor transitar em cada um deles, o governo evitaria "perdas" se adotasse uma linguagem apropriada, não limitada ao tecnicismo dos números, mas que agregasse valor à "informação" pela transparência, seriedade e agilidade - três elementos básicos para conquistar a credibilidade pública.

Construir uma narrativa que explicite a marca, a cara do governo e suas ações de interação com o que ocorre na cidade é fundamental, ainda mais em Porto Alegre, onde sempre há muitas coisas boas acontecendo. Como nas áreas de Inovação e de Economia Criativa, campo em que Porto Alegre é especialmente dinâmica, com um rico universo de ideias e iniciativas, que acabam acontecendo de forma desarticulada e sem visibilidade. Certamente a estrutura de Comunicação da prefeitura, entendida como ferramenta estratégica de gestão pública, seria um importante vagão para impulsionar o movimento desta inovadora locomotiva de desenvolvimento econômico e social para nossa Capital. Porto Alegre não tem vocação para ser terra arrasada!

Ângela Baldino é jornalista e ex-secretária de Turismo de Porto Alegre.

Todas as notícias

Nossos Endereços:

Matriz - Rua João Inácio nº1366 - Porto Alegre   Televendas: (51) 3343.8200
Subsolo da Galeria Malcon - Porto Alegre  Fone: (51) 3225.2842

De Bem Ind. e Com. de Informática Ltda
CNPJ – 91.848.614/0001-83

 

Em nossas lojas, aceitamos estes cartões:



WEBMAIL  |   criação: sitesrapidos.com.br

   
.