DEBEM.com.br

Notícias online para você

Jovem Pan divide opiniões em ação contra LGBTfobia

Campanha pede ao público que escolha última música que ouviria caso fosse vítima de preconceito; agência diz que ideia era promover reflexão

Nesta quinta-feira, 17, Dia Internacional de Combate à Homofobia, a rádio Jovem Pan lança a ação MinhaÚltimaMúsica, criada pela Lew’LaraTBWA. A campanha, que chega como alerta à violência no Brasil contra pessoas da comunidade LGBTI, instiga o público a escolher a última música que ouviria, caso fosse a próxima vítima do preconceito, responsável por matar uma pessoa por dia no País. A ação, que foi desenvolvida em prol de uma causa de diversidade, acabou causando divergências nas redes sociais.

Além da participação de celebridades como Thaila Ayala e Valesca Popozuda com o uso da hashtag e  comentários acerca desse tipo de agressão no Twitter, a Jovem Pan está com toda a sua programação voltada ao tema. As músicas pedidas, via rádio ou postagem do termo MinhaÚltimaMúsica, estão sendo incluídas em uma playlist do Spotify de mesmo nome da campanha.

A ação, que em menos de uma hora já ocupava o quarto lugar no Trending Topics Brasil no Twitter, dividiu opiniões nas redes sociais. Além de defensores da campanha, acusações sobre apropriação de discurso para atrair audiência e brincadeiras irônicas sobre a sugestão de escolha de uma última música permeiam o cenário digital:

Publicações no Twitter também alegaram o envolvimento de Pabllo Vittar na ação. Porém, a cantora afirmou que não fez parte da campanha e revelou que quem fez a postagem fake em seu Twitter não presta mais serviços a ela:

 

https://twitter.com/pabllovittar/status/997147242141290496

https://twitter.com/pabllovittar/status/997149214181351425

Questionada pela reportagem de Meio & Mensagem a respeito da repercussão da campanha, a Lew’LaraTBWA declarou que a ideia era convidar as pessoas a se colocar no lugar das vítimas da violência. Leia a íntegra do comunicado:

“O Brasil tem muitas estatísticas tristes. Infelizmente, uma delas é o assassinato de um LGBTI a cada 25 horas, nos colocando como o país que mais mata LGBTIs no mundo. A campanha tem como objetivo chamar a atenção das pessoas para essa estatística aterradora, trazendo o assunto para a pauta, fazendo as pessoas refletirem sobre o fato terrível de que um brasileiro morre diariamente apenas por causa de sua orientação sexual. Ao convidar no programa de rádio os ouvintes a – no lugar de pedirem a sua música favorita – pedirem a possível última música que ouviriam em vida, sugerimos uma reflexão delicada: todos nos imaginarmos como uma vítima dessa violência sem sentido.”

Crédito da foto do topo: Gotta Be Worth It/Pexels

Todas as notícias

DEBEM.TV

Um projeto imobiliário

WEBMAIL  |   criação: sitesrapidos.com.br

   
.